AgresteEleiçõesNacionalNordesteNotíciasPernambucoPolitica

Assédio eleitoral: denúncias em Pernambuco aumentam 700% entre as eleições de 2018 e de 2022

O número de denúncias de assédio eleitoral em Pernambuco passou de seis, nas eleições de 2018, para 48 no pleito deste ano, o que representa um aumento de 700%. Os dados foram levantados pelo Ministério Público do Trabalho em Pernambuco (MPT-PE) e atualizados nesta segunda-feira (31).

No primeiro turno, foram registradas três denúncias. No segundo turno, houve o registro de outras 42 denúncias, totalizando 48. O assédio eleitoral acontece quando o empregador oferece benefício ao trabalhador em troca de voto ou faz ameaças para conseguir o apoio a um determinado candidato.

Somente no fim de semana das eleições, durante o plantão extraordinário, o MPT recebeu 12 denúncias em Pernambuco, sendo dez delas no Recife.



A capital pernambucana é a cidade com a maior quantidade de denúncias. No entanto, também há registros nos seguintes municípios: Bezerros, Cabo de Santo Agostinho, Camaragibe, Carpina, Caruaru, Cupira, Itambé, Jaboatão dos Guararapes, Jurema, Pedra, Pesqueira, Petrolina, São Bento do Una e Serra Talhada.

Os casos de assédio eleitoral no estado, segundo o órgão fiscalizador, giram, principalmente, em torno de três eixos: ameaça de demissão, ameaça de repressão e a promessa de benefício, ou seja, compra de voto. No Brasil, foram registradas 212 denúncias de assédio eleitoral em 2018, número que aumentou para 2.549 nas eleições deste ano.

Na quinta-feira (27), foi registrada a denúncia de que o dono de uma loja de móveis em Bezerros, no Agreste, ameaçou demitir funcionários caso o candidato à presidência opositor ao dele fosse eleito no segundo turno.



Como denunciar
Qualquer cidadão pode denunciar casos de assédio eleitoral. As denúncias ao MPT em Pernambuco podem ser feitas através do aplicativo Pardal.

É assegurado ao denunciante o direito de optar pelo anonimato no momento do registro da queixa, mas o órgão ministerial alerta para a importância de anexar evidências do assédio eleitoral.



Por g1 Pernambuco.

Deixe uma resposta