Notícias

A “Capital do Agreste” já se parece com o Recife

01/04/13

Caruaru já é como o Recife. A cidade do Agreste pernambucano não lembra em nada a imagem romântica de uma cidade do interior pacata, com residências e áreas rurais, lembrando muito mais a capital do Estado, com um centro apinhado, trânsito caótico e construções residenciais irregulares no entorno do distrito industrial e nos morros da cidade. Embora o desenvolvimento da cidade não seja recente, a cidade se expandiu ainda mais após a duplicação da BR-232, que “diminuiu” a distância entre o município e a capital do Estado.

Repleta de prédios, Caruaru já parece com o Recife
(FOTO/JACKSON CARVALHO)
Com cerca de cem edifícios residenciais, dois shopping centers e um polo industrial com 122 empresas e indústrias que empregam cerca de 7 mil pessoas, Caruaru vai ganhar um aeroporto e um centro de convenções. O secretário de desenvolvimento do município, Erich Veloso, diz que um terceiro módulo industrial com 150 hectares deverá comportar cerca de 42 empresas, que representarão mais 6 mil empregos. “Já temos uma lista de 42 empresas interessadas, sendo que já estão previstas para este ano a instalação de 28 unidades.” Caruaru terá também um complexo de negócios agropecuários, com um investimento inicial orçado em R$ 52 milhões. 

“Há um projeto em estudo que vai comportar um matadouro regional, parque de exposições, centro de zoonoses, a feira do gado, um centro administrativo que deverá servir de instalação a órgãos e atividades afins, além do parque de vaquejada, que será transferido do local onde fica hoje para dar lugar ao aeroporto e ao centro de convenções, que ficará próximo à BR-232.” O secretário diz que o centro de convenções deverá permitir a realização de eventos de negócios que hoje acontecem no litoral sul.

Para o empresário Fabiano Carvalho, que se mudou do Recife para Caruaru há três anos e abriu uma imobiliária que hoje representa as principais construtoras do Recife na cidade do Agreste, agora é que a cidade deverá crescer mais. “Há um quadrilátero que se forma entre Recife, Caruaru, Campina Grande e João Pessoa com as BRs-232 e a 104. Isso movimenta muito a região. Atende a demandas de Fortaleza, Natal, Paraíba, Alagoas.”

O empresário diz que além do comércio, a indústria ganha força na cidade. “Caruaru terá um terceiro módulo industrial, a cidade terá um Centro de Distribuição da Lafarge, um dos maiores produtores de cimento do mundo, que deverá abastecer toda a demanda do Agreste e vai começar a operar com o mesmo potencial do Recife, uma média de 300 toneladas de cimento por dia.” 
Caruaru não lembra nada a imagem Romântica de uma Cidade do Interior
(FOTO/JACKSON CARVALHO)
O público consumidor de toda essa estrutura são os comerciantes e empresários do município. Hoje a cidade tem perto de cem prédios residenciais. “Hoje há em torno de 15 novos empreendimentos residenciais que acabam de ser lançados, número que chega a 30 considerando também residenciais de pequeno e médio porte, com financiamento do Minha Casa, Minha Vida. A faixa de preço dos imóveis em Caruaru vai de R$ 80 mil a R$ 1,1 milhão.” O empresário indica que a Conic deverá lançar em 30 dias o edifício Terra Brasilis Caruaru , que terá 40 andares. “A construtora aguarda a aprovação da prefeitura.”

Caruaru teve um plano diretor em 2004, mas o estudo está sendo revisto e deverá ter nova edição em 2014. Apesar do estudo de planejamento, hoje não há um diálogo sobre o ordenamento urbano entre os empresários e o setor público. Caruaru está agora começando a fazer a regularização de loteamentos irregulares, trabalho da prefeitura com o Ministério Público, para que os loteamentos antigos que foram feitos sem infraestrutura como calçamento, saneamento, energia e água sejam requalificados.

FONTE:JC ONLINE 

Deixe uma resposta