Quem é Mestre Luiz Antônio? História e origem

Mestre Luiz Antônio nasceu em 1935 no Alto do Moura, em Caruaru. Considerado um dos principais nomes na Arte Popular Brasileira. Ele é um discípulo contemporâneo do grande Mestre Vitalino, dando continuidade ao legado, atualmente é o único discípulo de Vitalino em vida, que está em atividade. Com dez anos de idade Mestre Luiz Antônio já modelava o barro. No início, seu trabalho retratava, como os demais da cidade, o cotidiano do Nordeste.

Mestre Luiz Antonio
Mestre Luiz Antonio




Com o tempo, ele incluiu um novo tema nesse universo, com as profissões. Hoje é conhecido por suas esculturas de profissões, como fotógrafo, parteira, pedreiro e bandas de forró, além de esculpir automóveis e motocicletas. A arte do barro, passada de pai para filho, também faz parte da história de Caruaru. O Mestre Luiz Antônio da Silva, de 84 anos, aprendeu o ofício com os pais e ensinou aos seus 10 filhos.






“Estes meus filhos já ficam como discípulos meu, quando Nosso Senhor me chamar. A arte não pode cair”, expressa emocionado o artesão enquanto modela algumas peças no ateliê localizado no Alto do Moura. Durante a primeira Bienal de Artesanato do Estado de Pernambuco, Mestre Luiz Antônio conquistou o prêmio Eleikeiroz do Nordeste.

E teve como peça vencedora o seu famoso poste com eletricistas trabalhando com os fios. Em 2017, Mestre Luiz Antonio foi agraciado com o Prêmio Leandro Gomes de Barros de Culturas Populares, oferecido pelo Ministério da Cultura, junto a outros 499 movimentos culturais de todo o Brasil. Mestre Luiz Antônio lembra que, no dia dos 114 anos de Caruaru, ganhou um concurso que fazia alusão à “Indústria de Caruaru”. Competindo com nomes como Severino Vitalino, Zé Caboclo, Zé Rodrigues, Manoel Antônio e outros. Era dirigido por Anastácio Rodrigues [1969/1973] e ele promoveu o concurso.




“Ganhei quinhentos mil réis, na época. Quando fui receber, aluguei um táxi e coloquei os ‘couros de rato’ dentro da camisa, ficou uma barriga de dinheiro grande. Foi aquela alegria! Em tempo difícil, receber quinhentos mil réis! Através da arte, criei 10 filhos”, comemora. A peça que lhe rendeu o título foi a intitulada “Máquina de Fazer Telha Canal”, reproduzida até hoje. Em 1986, o artesão representou o Brasil no Japão. “Fiz 300 peças durante o evento que reunia comitivas de 36 países”, lembra o mestre. “Isso é tudo história que fica para esses netos”, complementa vaidoso.




Em 2018, com a autoria e projeto editorial de Edna Matosinho de Pontes, com o seu arsenal de conhecimentos sobre esta expressão artística nacional, acumulada ao longo de 30 anos como académica, coleccionadora e galerista, construiu a biografia dos principais nomes do brasileiro produção popular do século XX e início do XXI, entre os quais, Mestre Luiz Antonio. No livro “Aprendi sozinho: narrativas da criatividade popular brasileira” a publicação é bilíngue (português e inglês) com 464 páginas. Para perpetuar a obra produzida pelo artista, está sendo concluído um museu particular na parte de trás do ateliê.






“Quero ser reconhecido em vida e garantir que os filhos vão poder divulgar. A gente traz um dom. Vivo da arte e feliz. Trabalho por amor; se fosse pelo dinheiro, não seria dom”, destaca.

Ceça Ricarte

Ceça Ricarte - Jornalista de formação, com mais de 15 anos de experiência, nas mais diversas áreas que o Jornalismo se propõe. Natural de Recife, mas que escolheu Caruaru para amar e viver! Entre idas e vindas, está fixa na Capital do Forró há 12 anos.

Deixe uma resposta