Selecionados os filmes da Mostra de Cinema Poesia na Tela

Definidos os filmes que estarão com acesso gratuito, via streaming,  na sexta edição da Mostra de Cinema Poesia na Tela. São 33 trabalhos, sendo três longas e os demais, curtas e médias metragens. De 21 a 23 de abril eles estarão disponíveis no site poesianatela.com.br.

“Tem filmes que são autorais, mas também selecionamos produções oriundas de oficinas audiovisuais que estiveram na programação de eventos parceiros realizadas no Sertão” explicou o coordenador da Mostra, Devyd Santos.




Todos os filmes que estão na Mostra Poesia na Tela foram realizados no Sertão do Pajeú exceto Mateus, que foi feito na Zona da Mata do Estado e foi selecionado por ter como uma das protagonistas a homenageada do evento, a atriz Odília Nunes. Os filmes estão divididos em quatro mostras. Tem a de Longas Metragens com dois trabalhos, um deles é o Bem Virá, de Wilma Queiroz, de Afogados da Ingazeira, primeiro longa dirigido por uma mulher no Sertão. Na Mostra Homenageada Odília Nunes estão títulos com a participação da atriz.
Na Mostra Poesia para Todas as Telas, filmes que têm ligação com a poesia feita na região ou documentam a vida de poetisas e poetas. Do Pajéu para Todas as Telas é a quarta mostra e a que reúne o maior número de títulos com 16 ao todo. São obras que foram produzidas no Sertão do Pajeú.




Homenageada – Nesta edição, o Poesia na Tela presta homenagem a uma artista natural do sertão do Pajeú, que é símbolo da pluralidade cultural e da busca pela democratização do acesso à arte. Odília Nunes é uma atriz de teatro e cinema, diretora teatral, dramaturga, cordelista e produtora cultural. Ela nasceu em São José do Egito e criada em Tuparetama onde começou sua carreira artística aos 11 anos, em uma companhia de teatro local, onde atuou por alguns anos, seguindo depois para Petrolina. Em 2005, teve seu primeiro solo de teatro, com a criação de Decripolou Totepou, que além de ter sido apresentado em festivais e eventos de diversas cidades do Brasil, Espanha, Portugal e Chile, marca o início do projeto “De Povo em Povo”, responsável por levar apresentações teatrais a comunidades rurais do Nordeste.




No cinema, sua carreira teve início em 2014, com o curta-metragem documental Mateus, dirigido por Andréa Ferraz, que se tornou longa-metragem em 2018. Seus mais recentes trabalhos são a série Entre Rios – Rio Pajeú (2019), que está em fase de finalização, e, este ano o filme Cordelina, de Jaime Guimarães.
Além disso, Odília realiza o projeto NO MEU TERREIRO TEM ARTE (2016), os festivais CHAMA VIOLETA (2018) e PALHAÇADA É COISA SÉRIA (2020), que integram teatro, circo e música e acontecem na comunidade do Minadouro, em Ingazeira, onde atualmente a atriz mora. Esses dois últimos festivais foram criados para comemorar o aniversário de cada uma das filhas, Violeta e Helena, respectivamente.




Deixe uma resposta